O que fazer quando o seu filho acorda com um pesadelo?

08-03-2021


Mais do que comum, quase todas as crianças acordam de vez em quando aos sobressaltos e com o coraçãozinho em pânico. Sim, essa é a palavra certa: pânico.

E os pais, acordam sobressaltados e correm até ao quarto do filho que, muitas vezes, está simplesmente sentado na cama e aos soluços ainda de olhos fechados...


O que fazer? E o que não fazer?


Muitos autores já escreveram sobre esta matéria, e, apesar de haverem teses diferentes consoante a crença na origem dos pesadelos das crianças, algo é transversal e deve ser respeitado: evite dizer ao seu filho que "já passou". Diga-lhe sim, e sempre, que você está ali e que não vai deixar que nada de mal lhe aconteça. Abrace-o, com coragem e afecto. Massage-lhe as costas com ternura em pequenos círculos e diga-lhe que "está tudo bem".  Diga-lhe várias vezes que está tudo bem.


Porque não deve dizer que "já passou"?


Porque não passou. Qualquer que tenha sido a origem daquele pesadelo - a qual você desconhece, e muitas vezes o melhor psicanalista não o conseguiria alcançar - você não sabe se vai voltar. Portanto não diga ao seu filho que "já passou".

Ao invés disto, depois de ter conseguido acalmar o seu filhote com amor, ternura e máximo respeito pelo episódio que está a acontecer, tente perguntar-lhe se ele quer falar sobre o pesadelo.


- "Estavas a sonhar com quê? Queres dizer-me?"

Se a resposta for "não" então não insista. Tente desviar o assunto e transportar a imaginação do seu filho para algo positivo, alegre e harmonioso. Como por exemplo, algo que poderão fazer os dois no dia seguinte. Sem mentiras , por favor!


Porém, o pai/mãe não se deve esquecer completamente do assunto e, no dia seguinte, tente abordar o assunto novamente quando ele estiver tranquilo, da seguinte forma:

- " Lembras-te do sonho que tiveste esta noite? Acordaste assustado, queres falar comigo sobre o teu sonho? Gostava de saber com o que estavas a sonhar..."


A ideia é ir tentando abordar o assunto porque o mais certo é este pesadelo voltar. Há crianças que têm o mesmo pesadelo durante anos. Ou meses. E o que lhe diriam alguns dos mais acreditados analistas de psicanálise é que todos os sonhos têm uma origem totalmente conectada com aquela criança. Todos os sonhos são únicos e irrepetíveis de criança para criança. Há semelhanças e temas muito aproximados entre as crianças mas cada sonho é específico da experiência de vida daquela criança.


Claro que agora o pai/mãe pode dizer que não há historial nenhum na vida daquele filho que lhe permita dizer e descrever as coisas que descreveu (partindo do principio de que a criança já começou a falar sobre o tema), e como tal, facilmente remeterão isso para Tv, conversas com amigos, ou livros. Pode ser, mas também pode não ser. E entre saber com certeza o que é realmente, e não é, o mais seguro e previdente que pode fazer é tentar que a criança fale com naturalidade sobre os seus sonhos. Para que ela sinta que não está sozinha naquele preambulo e que é compreendida por um adulto.


Nunca adopte a postura de dizer: "Oh, que tolice estás tu a dizer, pode lá ser isso...". Evite descredibilizar o que tanto sofrimento provocou ao seu filho naquele momento a meio da noite que o fez gritar em pânico por se sentir sozinho e abandonado. Pelo contrário, sempre que ele começara a falar sobre o tema, pergunte-lhe por mais pormenores, como por exemplo:

- " E que mais viste tu?"




Preparar a hora do adormecer é importante


Videogames violentos não ajudam. Novelas também não, são demasiado problemáticas e instáveis para o coraçãozinho da crianças que ainda acredita no Pai Natal.

Bons livros, sim. Sempre uma história para adormecer imbuído num paraíso algures nos confins da terra. Procure livros, seguem algumas sugestões abaixo.


Outro ritual que pode praticar com o seu filho é o momento de Oração. 


Não falarei de qualquer religião, não se trata disso. Trata-se de incutir no seu filho a noção de que existe algo superior aos humanos. Algo mais forte e luminoso que protege todas as crianças do mundo. 

E deve, de facto, ser feita uma oração pela própria criança, acompanhada do adulto, nesse pedido de proteção. Pode ser um momento precioso e de extrema cumplicidade entre si e o seu filho. Fazê-lo pedir pelo que ele mais deseja que aconteça na vida dele, e verá que ele jamais esquece tudo o que o rodeia. Faça-o pensar nas outras crianças do mundo. Aproveite este momento precioso para trabalhar com o seu filho os sentimentos de empatia com o outro. Pensar no outro, naquele que não tem o que ele tem. Este momento ajudá-lo-á sobretudo a dormir uma noite mais descansada e confiante.


Música tranquila é outro segredo

Adquira o hábito de espalhar música tranquila pela casa na hora de dormir. Não precisa de impor. Basta que ela esteja ligada em qualquer canto da casa. Eles ouvem, e perguntam porquê! Daí, até se habituarem é um instante bom. 

E claro, se o seu filho ficar mais descansado com a presença de uma meia luz, organize isso. E não se esqueça de lhe perguntar se ele prefere dormir com a porta totalmente fechada ou meio-aberta. E respeite a sua resposta. Tudo isto tem impacto na hora de adormecer. Proporciona os bons sonhos, e afasta os outros menos bons.



Sugestões de livros infantis:

"A menina do mar"

"365 Histórias para dormir"

"O principezinho


Joana Fonseca

www.pnl-coachingeducacionais.com